Ações de educação e empreendedorismo são apresentados em bairros de Salvador

Durante a ação, cerca de 90 agentes apresentaram o programa Agente de Empreendedorismo através de materiais informativos e do diálogo. Na ocasião, também foram mostrados os resultados do Agente da Educação, ambos desenvolvidos pelo Parque Social em parceria com a Prefeitura

Os vendedores formais e informais das regiões do Centro, Orla, Cidade Baixa, Liberdade, Subúrbio I e II, Cabula, Itapuã, Cajazeiras, Pirajá e São Caetano receberam uma abordagem diferente na quinta-feira (28). A iniciativa foi fruto de uma ação conjunta dos programas Agente de Empreendedorismo e Agente da Educação, com objetivo de envolver a comunidade e fomentar o desenvolvimento socioeconômico por meio de estímulo ao empreendedorismo.

“Os programas estão de mãos dadas. Um dos problemas da ausência dos alunos na escola é a questão da renda. Quando fazemos esse trabalho de promover a geração de renda, consequentemente será refletido na regularização da frequência desses alunos nas escolas”, afirmou a coordenadora do programa Agente da Educação, Paula Alves.

Através do através do Agente de Empreendedorismo, os empreendedores têm o apoio no acesso ao crédito e na aquisição de conhecimentos específicos para que, assim, possam desempenhar as atividades com mais profissionalismo e autonomia. O programa conta com a capacitação “Aprendendo a Empreender”, promovida pelo Parque Social, e com o suporte do Sebrae, que disponibiliza oficinas e palestras. O público beneficiado terá oportunidade de acesso ao Crediamigo, do Banco do Nordeste.

O coordenador de campo do programa Agente de Empreendedorismo destaca a importância desse trabalho. “Os números de empreendedores têm crescido cada vez mais. Muitas pessoas pensam em ter o próprio negócio, mas não sabem como começar. Esse programa ajuda de forma significativa, pois as pessoas são capacitadas e treinadas para melhorarem seus negócios e, consequentemente, alavancar os seus lucros”, declarou.

Ingresso – O empreendedor que desejar participar do programa deve se dirigir a uma das dez Prefeituras-Bairro; à sede do Serviço Municipal de Intermediação de Mão de Obra (Simm), no Comércio; ou uma das escolas municipais. Os documentos exigidos são a carteira de identidade, CPF e comprovante de residência.

O chefe de cozinha Israel de Jesus, 43 anos, não conseguia atuar na área de formação. Decidiu então ter o próprio negócio e, com isso, já são 20 anos como vendedor ambulante. “Chegou uma hora que percebi que tinha que tomar uma atitude, não podia mais ficar esperando acontecer. Vim para rua vender banana. Hoje tenho a minha barraca, mas o meu desejo é que meu negócio crescesse ainda mais”, contou.

Ao ter mais informações sobre o Agente de Empreendedorismo, ele viu uma oportunidade de poder ampliar o próprio negócio e ter mais rendimentos. “Esse trabalho é muito importante. Amanhã mesmo vou até a Prefeitura-Bairro daqui de Cajazeiras para me inscrever. Ser capacitado, treinado e ainda ter o suporte que precisamos faz toda a diferença. Fiquei muito empolgado”, declarou o ambulante.

Resultados – As abordagens também possibilitaram a divulgação dos resultados alcançados pelo programa Agente da Educação desde agosto de 2015, como uma forma de prestação de contas para a comunidade, além da captação de novos parceiros. Até fevereiro último, foram realizados 165 mil acompanhamentos da vida escolar dos alunos, 77 mil regularizações da frequência, 51 mil atendimentos aos pais/alunos e visitas domiciliares, 3 mil parceiros da comunidade e 15 mil ações de integração escola/família/comunidade.

O programa Agente da Educação tem o propósito de contribuir de forma efetiva para uma educação transformadora, inclusiva e de qualidade. A ação fortalece a escola enquanto espaço de aprendizagem e interatividade, e auxilia na promoção da melhoria do desempenho escolar, na redução do índice de evasão e na valorização da escola como patrimônio da comunidade.

Deixe um Comentário